25.3.08

Queda

Halêeeee houp!

desdobra-se minha perna e tudo
desfaz-se sem ruído
duas
Três
voltas
um gemido...
esmaga-me a coxa
e isso tudo seria
visto de fora
sem sentido

mas sinto sim
um silêncio
que nem mesmo aquele gemido
nem mesmo o não-ruído
nem mesmo cinco nem mesmos seguidos
podem quebrar.

E quedo-me
agora solto
envolto a uma dor horrível
que é a dor do sentido
puro e desprovido
do sentido mediado
do sentido ci-vi-li-zado.

Quedo-me apavorado.

Mas antes...
antes o destino pavor
antes a face do horror
antes que morto
num cume alto
de mentiras elevadas
e paixões
paixões
paixões
...
inventadas

3 comentários:

Jeff disse...

Nossa, muito haver com varias coisas que sinto ultimamente. Parece um pouco o texto anterior soh que em poesia. e mais profundo, que a poesia é capaz disso pela mistura de imagens e metáforas. só uma duvida: na ultima estrofe é "antes o pavor/horro" DO QUE estar "morto num cume alto" ou nao...

Denis Forigo disse...

sim, tentei fazer uma quebra... talvez não funcione... assim:

antes o pavor [do que morrer]
antes o horror [do que morrer]
antes que [eu esteja] morto

antes x (do que y)
antes x (do que y)
antes que y aconteça

poematematica... :)

Maíla disse...

Também gostei dos teus, seu denis.