7.6.07

História, depois de velho.

Olha, estou com 26 anos de idade e confesso: há poucas horas atrás eu me achava velho demais para voltar a estudar história. Na escola sempre achei muito muito chato aquele blá blá blá interminável sobre coisas que já tinham acontecido... não entendia a importância daquilo. O velho argumento de "aprender com o passado para não errar no presente" sempre me foi um tanto distante da vida real.

O personagem que está mudando isso é um septuagenário. O ponto de vista de Plínio de Arruda Sampaio, que está sendo figura central no atual processo de rearticulação da esquerda, depois da derrocada do PT, é o fio condutor de um documentário que a Camará está produzindo sobre os últimos 50 anos de história política brasileira. O "Plinião", como é chamado com carinho pela militância, nos deu uma grande aula de história, em uma hora e meia de filmagem no jardim de sua casa. Ele fala com a propriedade de quem foi, por exemplo, relator do Plano de Reforma Agrária do Jango, plano que acabou por "rachar" a base daquele governo e deu oportunidade para o golpe militar de 64. Plínio foi também redator do estatuto do PT e hoje deve estar no Rio de Janeiro, participando ativamente do 1º Congresso do PSOL.

Hoje, pela primeira vez, assistimos com calma à filmagem. Foi uma sessão "sistemática": discutimos, anotamos, reprisamos, definimos referências a serem pesquisadas, livros a serem lidos... Dessa sessão nos sobraram diversas questões (que nos ajudarão a montar o roteiro do filme) e uma grande certeza: com o Plinião estamos aprendendo que nunca se está velho para aprender história e, muito menos, para fazer.

Um comentário:

Lais disse...

Mais um documentário pra incitar os trabalhos plinísticos...

Já disponível em DVD na minha casa!